fbpx

Conscientização sobre o autismo: idosos com TEA

Autismo

O autismo ainda é um assunto pouco abordado e por isso foi criada em 2007 pela Organização das Nações Unidas (ONU), uma campanha que tem por objetivo conscientizar a sociedade a respeito do Transtorno do Espectro Autista (TEA), reduzir o preconceito contra as pessoas que têm essa condição, além de defender seus direitos.

Acontece que, quando pensamos em tal transtorno é mais comum associarmos com a infância. Isso porque, de modo geral, a manifestação de seus primeiros sinais ocorre ainda nos primeiros anos de vida.

O autismo na velhice é cada vez mais comum, sendo assim, entender o que é e quais são os cuidados e necessidades é essencial para a sociedade. Leia a seguir:

TEA na terceira idade

Nos idosos, é comum que o principal quadro de autismo seja a Síndrome de Asperger bem como o Transtorno Autista. A questão é que nos casos mais leves, é comum que o quadro não seja diagnosticado. Ou seja, o paciente consegue levar uma vida relativamente comum e ninguém ao redor percebe qualquer indício de tal condição.

Além disso, existem casos em que o indivíduo é considerado difícil de lidar ou até antissocial. No entanto, não se trata de algo aprendido ou de um traço da personalidade, mas sim de um quadro de autismo. No caso do autismo na terceira idade, é essencial perceber os sinais e buscar um diagnóstico. Principalmente se o idoso é considerado sozinho, repetitivo, obsessivo ou difícil de lidar.

Sinais a serem notados

– Dificuldade em ter amigos ou laços, inclusive com familiares;
– Coordenação motora afetada de alguma maneira;
– Cismar com outras pessoas;
– Quando gosta de alguém, dá toda a atenção apenas para aquele indivíduo;
– Dificuldade para verbalizar pedidos;
– Ficar guardando objetos durante muito tempo sem nenhum motivo;
– Ao se cansar, pode jogar fora tudo o que guardou por anos;
– Repetição de assuntos;
– Hábito de se vestir do mesmo jeito e sempre comer as mesmas coisas;
– Metódico, etc.

Idoso em condição de isolamento – Imagem ilustrativa

Tratamento

O tratamento começa a partir do diagnóstico e identificação do nível do paciente. Geralmente, é realizado uma série de mudanças na rotina e no formato do cuidado.

Mais importante que isso, é conversar com a família, para que todos que cuidam ou lidam com aquele idoso saibam exatamente o que é aquela situação. Inclusive, é importante entender o quadro, já que muitos indivíduos que possuem autismo acabam enfrenando quadros de depressão.

Portanto, podemos definir três grandes grupos de cuidados:

Adaptação da rotina:

A adaptação da rotina é essencial para que esses pacientes consigam ter uma rotina o mais comum possível.

Dessa maneira, é preciso garantir que o ambiente esteja preparado de acordo com as dificuldades de cada cenário. Por exemplo, se o idoso tem dificuldade para se mover, é essencial evitar tapetes e pisos que escorregam.

A rotina também deve ser clara, com horários específicos, alimentação de qualidade e tarefas.

Também é importante fazer com que o idoso seja o mais ativo possível, de acordo com as limitações.

Inserção social de paciente com autismo na terceira idade:

Para melhorar a qualidade de vida dos idosos, é essencial que eles interajam socialmente.

Dessa forma, a dica é sempre ter momentos de conversa e inserir o idoso em algum grupo.

Entretanto, vá aos poucos e veja como o idoso se sente, o que ele realmente gosta, sem pressionar demais.

Questões familiares:

Por fim, o autismo na terceira idade depende do âmbito familiar, para garantir autoestima, bons resultados e equilíbrio.

Idosa de mãos dadas com familiar – Imagem ilustrativa

Portanto, o idoso precisa ter um grupo de apoio, principalmente para identificar sinais de outras condições. Como a pesquisas com esse público ainda são menores, os familiares são a linha de frente para prever o que pode acontecer ou sinais, como tristeza, dores, etc.

Ainda que não seja fácil lidar com pacientes idosos e autistas, a família é essencial neste processo. Sendo assim, fique atento e faça parte de grupos de apoio. E você, conhece algum caso de autismo que foi diagnosticado somente na vida adulta ou velhice? Comente aqui!

Deixe uma resposta

Seja um doador

A Casa São Luiz acredita que fazer o bem gera um impacto positivo na sociedade e na vida das pessoas. Sabemos que é crescente o número de cidadãos e empresas que tem no seu propósito o olhar e cuidado para com o próximo.

  • "Lindo lar para o descanso na melhor idade! Médicos e profissionais que cuidam do que há de verdade no termo SER HUMANO!"

    Gutemberg Landi Jr.

    ex-colaborador

  • "Local agradável, acolhedor e com pessoas simpáticas no seu atendimento."

    Fernando Frota

    visitante

  • "Um pedacinho do Paraíso. Local onde ainda preserva-se o Amor e o respeito pelo ser humano!"

    Cristiane Casilha

    colaboradora

  • "Excelentes profissionais, fiz meu estágio com as Assistentes Sociais Vanda e Lenilda que só somaram na minha vida profissional. O carinho delas com os pacientes e familiares é um diferencial."

    Clarice Abreu

    visitante

  • "Excelente casa de repouso. Agradeço muito pela a oportunidade de ter podido trabalhar com excelentes profissionais. Um lugar aconchegante, tranquilo e com pessoas atenciosas nos seus cuidados. Profissionais de primeira. Um verdadeira família!"

    Aline Macedo

    visitante

  • "Lugar de Paz e Tranquilidade, foi um prazer ter trabalhado neste ambiente, ou melhor, ter feito parte desta família tanto da parte profissional quanto da parte dos residentes..Experiência para toda a Vida!"

    Alexandre Mendes

    visitante

Agende uma visita

A Casa São Luiz é sinônimo de vida, de atenção, de alegria diária e de boas energias, onde as pessoas vivem e aproveitam seu tempo. Venha conhecer mais um pouco do que oferecemos. Agende uma visita. Teremos um grande prazer em receber você.

    SEJA DOADOR
    Translate »